A formiguinha e a neve

  Aguarde...carregar o som...!

 

 

 

 

Certa manhã de inverno, uma formiguinha saiu para o seu trabalho diário.

 

 

 

Já ia muito longe a procura de alimento, quando um floco de neve caiu e prendeu o seu pezinho.

Aflita, vendo que não podia se livrar da neve, iria assim morrer de fome e frio, voltou-se para o sol e disse:

 

 

 

- Ó sol, tu que és tão forte, derrete a neve que prende o meu pezinho!

E o sol indiferente nas alturas, falou:

- Mais forte do que eu, é o muro que me tapa.

 

 

 

 

Olhando, então para o muro, a formiguinha pediu:

- Ó muro, tu que és tão forte, que tapas o Sol que derrete a neve, desprende meu pezinho.

 

 

 

 

E o muro que nada vê e muito pouco fala, respondeu apenas:

- Mais forte do que eu, é o rato que me rói!

 

 

 

Voltando-se então, para um ratinho que passava apressado,  a formiguinha suplicou:

- Ó rato, tu que és tão forte, que róis o muro que tapa o sol que derrete a neve, desprende meu pezinho.

 

 

 

 

Mas o rato, que também ia fugindo do frio, gritou de longe:

- Mais forte do que eu, é o gato que me come!

 

 

Já cansada, a formiguinha pediu ao gato:

- Ó gato, tu que és tão forte, que comes o rato, que rói o muro, que tapa o sol, que derrete a neve, desprende o meu pezinho.

E o gato sempre preguiçoso, disse bocejando:

 

 

- Mais forte do que eu, é o cão que me persegue! Aflita e chorosa, a pobre formiguinha pediu ao cão:

- Ó cão, tu que és tão forte, que persegues o gato, que come o rato, que rói o muro, que tapa o sol, que derrete a neve, desprende meu pezinho.

 

 

E o cão, que ia correndo atrás de uma raposa, respondeu sem parar:

- Mais forte do que eu, é o homem que me bate!

Já quase sem forças, sentindo o coração gelado de frio, a formiguinha implorou ao homem:

- Ó homem, tu que és tão forte, que bates no cão, que persegue o gato, que come o rato, que rói o muro, que tapa o sol, que derrete a neve, desprende o meu pezinho.

 

 

E o homem, sempre preocupado com o seu trabalho, respondeu apenas:

- Mais forte do que eu, é a morte que me mata.

 

 

 

Trêmula de medo, olhando para a morte que se aproximava, a pobre formiguinha, suplicou:

- Ó morte, tu que és tão forte, que matas o homem, que bate no cão, que persegue o gato, que come o rato, que rói o muro, que tapa o sol, que derrete a neve, desprende meu pezinho.

 

 

E a morte impassível, respondeu:

- Mais forte do que eu, é Deus que me governa!

Quase morrendo, então a formiguinha rezou baixinho:

 

 

 

- Meu Deus, tu que és tão forte, que governas a morte, que mata o homem, que bate no cão, que persegue o gato, que come o rato, que rói o muro, que tapa o sol, que derrete a neve, desprende meu pezinho.

 

 

 

 

E Deus então, que ouve todas as preces, sorriu, estendeu a mão, por cima das montanhas e ordenou que viesse a primavera

 

 

 

 

No mesmo instante, no seu carro de veludo e ouro, a primavera desceu por sobre a Terra. Enchendo de flores os campos, enchendo de luz os caminhos.

 

 

 

 

 

E vendo a formiguinha quase morta, gelada pelo frio, tomou-a carinhosamente entre as mãos e levou-a para seu reino encantado.

 

 

 

 

 

Onde não há inverno, onde o sol brilha sempre, e onde os campos estão sempre cobertos de flores!