Aguarde...carregar o som...!

 

 

Caía a tarde na selva. E ao longe pelos caminhos, ouvia-se a passarada que regressava a seus ninhos.

 

 

 

 

Na beira de uma lagoa, os sapos em profusão, cantavam bem ritmados, a sua velha canção. No mais, tudo era silêncio.

 

 

No entanto, nesse momento, surgiu um velho leão, a procura de alimento. Andava orgulhosamente, com passos lentos, pesados. E por onde ele passava, os bichos apavorados, fugiam para suas tocas, deixando livre o caminho.

 

 

Porém, eis que de repente, surgiu um pobre ratinho. O leão não perdeu tempo e assim estendendo a pata, alcançou o pobrezinho que corria pela mata.

- Vejam só, que sorte a minha! Abocanhei-te seu moço. Tu não és lá muito grande, mas já serve para o almoço!

 

 

- Tenha piedade senhor!  - Oh, solte-me por favor! Do que lhe serve matar-me! Pois veja bem, se me come, eu sou tão pequenininho, que mal posso matar-lhe a fome.

 



- Pensando bem, tens razão! Eu vou soltar-te ratinho. O que ia fazer contigo, assim pequeno, magrinho. Segue em paz o teu passeio. Não vês, sou teu amigo, para mim de nada serves, quase não pode contigo!

- Seu Leão, esse favor, eu jamais esquecerei. Se puder, algum dia, ainda lhe pagarei.

 

- Oh! - Pagar-me? Ora! Tu mal aguenta contigo! O que poderias fazer a meu favor, pobre amigo!

- Não sei, não sei majestade, mas prometo-lhe outra vez, algum dia, hei de pagar-lhe, o grande bem que me fez

E assim dizendo, o ratinho correu e muito feliz entrou no seu buraquinho. E o leão tranquilamente, embrenhou-se na floresta.

Entretanto, de repente . . .

 

- Vejam, meninos, que horror!

O pobre animal, caiu na rede de um caçador. E a fera se debatendo de raiva e pavor, urrava!

E quanto mais se esforçava, mais a corda o enlaçava.

 

 

 

Nesse instante, o tal ratinho, que de longe tudo ouvia, chegou perto do leão, que urrando se debatia.

 

 

 

 

- Não se aflija meu amigo, aqui estou para salvá-lo. Espere. Fique tranquilo, pois vou tentar libertá-lo. Deixe-me roer a corda que o prendeu... assim...assim... não se mexa por favor, descanse e confie em mim.

 

 

 

 

E o ratinho foi roendo, roendo insistentemente, até que a corda cedeu e arrebentou finalmente!

 

 

 

- Pronto, estou livre afinal! - Muito obrigado ratinho. O que seria de mim sem tua ajuda, amiguinho!

E o ratinho humildemente, cheio de satisfação, estendeu sua patinha ao grande e velho leão!

 

- Amigo, não me agradeça, entretanto aprenda bem, não faça pouco dos fracos, confie neles também

- E o leão compreendeu esta lição acertada!

Mais vale a calma e a prudência à fúria desenfreada

E o leão, aprendeu a lição!

"Mais vale, a calma e a prudência, à fúria desenfreada."

"Os pequenos amigos podem se revelar seus grandes aliados."

Fábula de Esopo recontada por Jean de La Fontaine

Please download Java(tm).